• Seja bem vindo !

    Este site foi criado com o objetivo de divulgar a Umbanda e seus ensinamentos, atingindo não apenas os que frequentam nosso Templo, mas todos que se interessarem pela religião. Aqui você encontrará textos sobre rituais e normas de nossa Casa, reflexões da nossa Mentora, preleções das Entidades Chefes, temas desenvolvidos por médiuns da Corrente e de Saúde e Medicina Espiritual. Leia Mais
  • Nosso Livro

    O livro "Mensageiros da Espiritualidade" traz relatos ditados pelas Entidades Chefes e pela Mentora Espiritual do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde, em um manifesto aos seus filhos, frequentadores e à humanidade, sobre os preceitos e conduta que regem a Umbanda Sagrada nos dias atuais... Leia Mais
  • Conheça nossa página do FaceBook

    https://www.facebook.com/Templo-Espiritual-De-Umbanda-Caboclo-Pena-Verde-212423025776472/ Leia Mais

Breves esclarecimentos a respeito da Gira de Cura realizada no TEUCPV - Parte II (28/05/2012)

Entidades de Cura, Benzedeira e Assistentes de Cura 

CABOCLOS CURANDEIROS 

Saindo um pouco da Linha Médica, dos espíritos que adquiriram conhecimentos através do estudo direto da medicina, do corpo humano e de suas doenças, temos Entidades que dotados da experiência e dotes adquiridos ao longo de muitas vidas na convivência próxima com o elemento natureza e seus recursos de sobrevivência e cura, deixados no mundo por Oxalá, lidaram e viveram o contato estreito com a cura e/ou com o acalento aos sintomas de males muitas vezes desconhecidos, trataram enfermos em estados graves, conviveram com diversos tipos de doenças e aflições, utilizando somente de meios “naturais” e da evocação através de seus rituais, à espíritos de maior luz e conhecimento, para trabalharem.

Alguns Caboclos (sejam eles da Linha de Xangô, Ogum ou Oxossi), por exemplo, acumularam em suas encarnações conhecimentos sobre o uso de ervas no tratamento ou cura de doenças, ou mesmo com o intuito de amenizar alguns sintomas; tratam-se dos caboclos curandeiros. São espíritos que quando encarnados tiveram contato direto com a natureza e sob intuição espiritual souberam desfrutar do legado criado por Oxalá e ao Homem oferecido, o qual foi pelo ser humano nomeado como “Mãe Natureza”. 

Da mata, da floresta, enfim, da Natureza, o Caboclo soube usufruir das folhas, sementes e frutos para cuidar, para robustecer a saúde e fortalecer o Homem para o dia-a-dia de trabalho, bem como para amenizar problemas de saúde ou até curar doenças dos membros de seu grupo, da sua e de outras comunidades ou mesmo tribos. Aprenderam então a usufruir de ervas e de fontes naturais para beneficiar os outros e se tornarem os Curandeiros do grupo. Daí vem os Caboclos Curandeiros. 

PRETOS-VELHOS BENZEDORES 

De forma semelhante, alguns Preto-Velhos utilizaram a reza para benzer pessoas doentes e através dessa benção amenizar dores e sofrimentos humanos (e até mesmo animais); são os Preto-Velhos benzedores. No mais puro enaltecer da fé e da confiança na Força Maior que nosso mundo rege, esses espíritos, tanto quando encarnados, quanto agora no plano espiritual, conseguem emanar energia suficiente que possa, com a permissão de Oxalá, interferir na matéria lesada fortalecendo-a e recarregando o espírito do paciente com a luz branca de Oxalá. 

Sem necessariamente ter conhecimentos sobre a anatomia e fisiologia humana, apenas com o uso da fé e de gestos simples, típicos de uma Entidade Preto-Velho, eles conseguem energizar e dar vigor ao paciente com aquilo que chamam de benção. Por vezes utilizam algum meio material para auxiliar a benção, como um galinho de arruda ou mesmo a fumaça de seus cachimbos. São também fortes no combate ao mal, chegando a limpar e reverter males com a eficiência da Esquerda, bem como bloquear o corpo contra demandas, inveja, e outras tendências nocivas através de suas mandingas. São competentes e incansáveis protetores das crianças, dos velhos e incapazes. 

Importante frisar que nem todos os Preto-Velhos possuem essa faculdade de Benzer em pró da cura, da saúde. A benção é uma das características dessas Entidades, porém nem sempre ela é voltada à esse fim, mas também, por exemplo, a um gesto de respeito, de cumprimento, de despedida, de relação familiar entre filhos/netos com os pais/avós, condutas essas herdadas e intensificadas durante o período de encarnação na época da escravidão e da vida na senzala. Assim como essa benção devia ser simples o suficiente para que não chamasse a atenção dos Senhores das fazendas e capatazes de Senzala, nem dos feitores, os até então escravos aprenderam, mesmo que devido a uma imposição hierárquica da época, a realizar suas rezas, orações e rituais religiosos com a maior simplicidade e discrição possível, sem com isso perder a intensidade do momento, muito pelo contrario trouxeram mais vibração e força a seus apelos, condição esta que lhes foram dadas em muitos casos pela capacidade de suportar o sofrimento e a dor. 

Os Preto-Velhos Benzedores são exemplo de fé inigualável voltada à caridade através da cura. 

ORIS 

Os Oris são espíritos com um conhecimento mais ligado à energização e cura pelas práticas da cultura oriental e estão mais ligados ao cuidado do paciente, antes e pós-tratamentos, na convalescência, dispensando atenção integral, são os ditos "enfermeiros espirituais". 

Entidades de extrema concentração e dedicação à atenção do paciente, prestimosos colaboradores, são espíritos que quando encarnados tiveram contato com a manutenção dos cuidados do paciente, orientados por espíritos de um conhecimento maior, os quais, junto com ele, dedicam-se à cura. 

OMULU E OBALUAÊ 

Há ainda, os já conhecidos Omulu e Obaluaê, os quais, ao contrário dos demais acima citados, são Orixás e não Entidades. 

O Orixá Omulú, figura sincretizada como um ser sob palhas por ter uma aparência deformada por doenças, está mais voltado à cura espiritual do que física, ou seja, ao assistir ao paciente, volta-se ao equilíbrio emocional, às doenças da mente, de cunho psicológico. Volta-se mais àquilo que seria a enfermidade e fragilidade do espírito e, trabalhando através de uma aliança entre Direita e Esquerda, combate os males que possam afligir o espírito, que causariam um acúmulo de energias negativas sobre o espírito. Traz o equilíbrio à vida material, nas necessidades de subsistência, como dinheiro, trabalho e moradia, de forma a trazer tranquilidade ao espírito que se voltará aos interesses do plano superior. É o orientador, o condutor e apaziguador dos espíritos desencarnados, a quem podemos recorrer no encaminhamento daqueles que fizeram a passagem. 

O Orixá Obaluaê, por sua vez, sincretizado sempre na companhia de um cão, o qual se apresenta lambendo as feridas que têm sobre o corpo, causadas pela lepra (e, supostamente, aliviando a dor e o incômodo), dá assistência ao paciente com um intuito maior de cura dos males físicos. Não tanto quanto Omulu, também trabalha com a aliança Direita-Esquerda, porém livrando o encarnado dos males físicos, oriundos principalmente de desequilíbrios emocionais e espirituais. Age através de uma energização mais voltada à limpeza direta da matéria, isto é, dos distúrbios orgânicos, do que do espírito ou do equilíbrio emocional. 

Por essas semelhanças e características ora coincidentes, ora paralelas, ambos os Orixás são vistos e reverenciados juntos, sendo que ao Saravar o Orixá Omulu, o cumprimento deve ser “Salve a força de Omulu” e para o Orixá Obaluaê, deve ser “Atotô Obaluaê”. 

Obs.: Vale frisar que nem todos os Caboclos são Curandeiros e nem todos os Preto-Velhos são Benzedores; nem todos os Médiuns possuem Entidades Médicas, Caboclos Curandeiros, Preto-Velhos Benzedores ou Oris, porém todos possuem a capacidade de energização e revitalização física e espiritual desde que devidamente concentrados e em comunhão com os mentores do plano espiritual. 

Ricardo Moreno em, 28/04/2012 

Este tema terá continuidade na próxima semana – Parte III