• Seja bem vindo !

    Este site foi criado com o objetivo de divulgar a Umbanda e seus ensinamentos, atingindo não apenas os que frequentam nosso Templo, mas todos que se interessarem pela religião. Aqui você encontrará textos sobre rituais e normas de nossa Casa, reflexões da nossa Mentora, preleções das Entidades Chefes, temas desenvolvidos por médiuns da Corrente e de Saúde e Medicina Espiritual. Leia Mais
  • Nosso Livro

    O livro "Mensageiros da Espiritualidade" traz relatos ditados pelas Entidades Chefes e pela Mentora Espiritual do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde, em um manifesto aos seus filhos, frequentadores e à humanidade, sobre os preceitos e conduta que regem a Umbanda Sagrada nos dias atuais... Leia Mais
  • Conheça nossa página do FaceBook

    https://www.facebook.com/Templo-Espiritual-De-Umbanda-Caboclo-Pena-Verde-212423025776472/ Leia Mais

Abordagens sobre o Desenvolvimento Mediúnico

É necessário estar na mente e no coração que a mediunidade é como um rio. Ela flui do coração do espírito comunicante até o coração do Médium.

 

Não pode ter pressa e, sim aproveitar cada momento. O começo do desenvolvimento mediúnico é como a infância, moldará o resto de sua vida. Ele deve ser trilhado como um caminho de surpresas e descobertas. De celebração e alegria. Sem pressa, senão  deixará passar despercebido lindas flores que ornam o caminho. Também não forçar, tampouco se preocupar. Sigamos o fluxo do rio. Do coração do guia ao seu coração. Não tem segredo... As palavras básicas são: fluidez, intuição e serenidade...

Cada um com seu tempo! Assim como o desabrochar daquela rosa é momento único na criação, e nunca mais se repetirá, assim é com a mediunidade. É como uma flor que desabrochará no momento certo. É preciso regar e cultivar a todo momento. Quando o momento chegar, os Anjos cantarão. Até lá, curta seu próprio desenvolvimento e melhore como pessoa e leve adiante os ensinamentos da Umbanda.

Escrito por Fábio Carvalho, Médium do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde em 26/10/2012

 

O que sempre me preocupou por muitas vezes que ouvi alguns Médiuns mais jovens falarem de suas Entidades era exatamente o deslumbre (bobo) que possam dar a quantidade, e uma quantidade desmesurada de Exus e demais Entidades que incorporam.

Enfatizam tanto a quantidade de nomes de Exus que incorporam que chegam a banalizar a incorporação.

Sabe? Fico me recordando de quando pisei no PV pela primeira vez com 16 anos(acho), e não acreditava que eu tinha a mediunidade de incorporação.

Via e ouvia coisas e quando pela primeira vez me sentei na frente de uma Entidade maravilhosa ALDA no PV e ela disse que eu tinha que me desenvolver, dei risada, porque não acreditava naquilo.

E foi passando o tempo, fui me sentindo mal, e cada vez mais, até que um dia incorporei pela primeira vez, depois de 3 anos frequentando a Assistência e não deixando ninguém puxar Entidade minha. Porque era turrona, dizia que se eu tinha realmente Entidades elas teriam que aparecer por si só.

Não entendia nada do que tinha acontecido comigo uma porque não lembrava de nada(diferente de hoje) que lembro de poucas coisas, mas lembro.

Quando chego ao PV todas as quartas feiras, fico deslumbrada com a luz que tem nosso Terreiro, e, por vezes choro de emoção.

Estamos em eterno aprendizado. Não sabemos de tudo, nunca!

A cada dia aprendo algo diferente.

Por vezes, me sinto incomodada por algumas coisas que acontecem. É um deslumbre que não combina com Umbanda, com desenvolvimento sério, com energia forte.

Mas, como a mediunidade não é igual pra todos, cabe a nós respeitar, mas, alertar que podem estar indo por um caminho perigoso.

Escrito por Maura Tesser, Médium do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde em 27/10/2012.

 

Não consigo entender, não só entre os jovens, mas às vezes com os mais adultos essa fobia de incorporação, me baseio sempre por mim, que desde pequena essa mediunidade me acompanhando e eu usando sempre de muito bom senso esperei o momento certo e a hora certa de me dedicar a Umbanda sem jamais abandoná-la, com seriedade e muito compromisso. Mas infelizmente quando analiso as atitudes de determinadas pessoas, noto a necessidade do desenvolvimento como uma válvula de escape no sentido de se sentirem importantes e poderosos. Seria até normal nos dias de hoje com tanta carência e o sentimento de superação posto todo o tempo a prova.

Aprendi e desenvolvi seguindo sempre minhas intuições e nunca me foi chamada a atenção por me exceder ou abusar de minha mediunidade, muito pelo contrário dou sempre o mérito as Entidades, eu faço questão de repetir a mim mesma, o tempo todo, que sou apenas um aparelho de comunicação, me orgulho quando sou interpelada por alguém elogiando e agradecendo a Casa, mas enxergo como um todo.

A humildade é regra básica para o desenvolvimento mediúnico, sem ela sua missão é desviada, enfraquecida.

Escrito por Sonia Moreno, Mentora e Babá do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde em 28/10/2012.